quinta-feira, 28 de maio de 2009

Instalando o MySql

Vamos nois.....

faça download nesse site: http://dev.mysql.com/downloads/


Não tem erro ele já mostra um link recomendado para fazer download.



Lembra MySQL Browser pois então e só puxar o MySQL Tools.


Na tela de boas vindas do instaldor do MySQL clique em Next.


Na próxima janela selecione o tipo de instalação (Typical) e em seguida clique em Next.


Aguarde enquanto o MySQL é instalado.


Salte o login no MySQL selcionando Skip Sign-Up e clique em Next.


Selecione Configure the MySQL Server Now e clique em Next.


Na tela de boas-vindas da configuração clique em Next.


Selcione Standard Configuration e em seguida clique em Next.


Selecione Install As Windows Service e em seguida clique em Next.


Selecione Modify Security Settings digite a senha na caixa de texto New root password e confirme a senha digitando-a novamente na caixa Confirm e em seguida clique em Next.
Obs. no password você pode criar a senha que quiser.


Execute a configuração clicando em Execute.


Após finalizar a configuração e clique em Finish.

Fiquei meio parado com esse blog mais em breve vou vim com mais comandos para ajudar...

terça-feira, 5 de maio de 2009

Linguagem de Banco de Dados

Aqui vou posta conceitos básico sobre Banco de Dados.

MySQL
1ª Parte
Na primeira parte foi criada uma tabela.

2ª Parte
Na segunda parte estou adicionado as informações.
Note que a vígula e usada para ir para a outra coluna do atributo.

3ª Parte
Na terceira parte, mostra o que tem no atributo.

4ªParte

Quarta parte mostra o que foi adicionado na tabela.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

LPIII - Conceito sobre" Void " e " This" no Java.

Aqui vou esplicar um pouco sobre alguns conceitos sobre this e void.

Veja na figura abaixo:

sábado, 4 de abril de 2009

Usando a classe JOption - LPIII

No próximo aplicativo lê dois inteiros digitados pelo usuário no teclado, calcula a soma desses valores e exibe o resultado.


O uso de "Packages" não só nos permite organizar nossas classes, como também nos permite diferenciar classes que sendo distintas tenham que ter o mesmo nome, ou seja, ajuda a Java com a resolução de nomes. O package têm que estar em um mesmo diretório que deve coincidir em nome com o nome do "package". Vemos que portanto, o nome completo de uma classe de um "package" equivale a sua rota desde o diretório que tomemos de base para nossas classes. Import" permite importar um "package" a nossa classe Java. Isto nos permite acessar (no caso de que sejam acessíveis) sem usar todo o nome do "package" a qualquer classe dentro dele.

Linguagem de Programação III - Inicio

Bom aqui vou esplicar como funciona o java.
Dois comandos usado para rodar o java de maneira brutaaa.

Pelo comando DOS.
javac <- È usado para compilar o seu programa feito em java(Ele cria um arquivo chamado *.class).
java <- Usado para rodar o programa já compilado.

1ª Parte
2ª Parte

O comando então iria ser feito assim no DOS.

javac Imprimir.java
javac Impr.java

Agora com o dois arquivos já compilados.
Vou digitar no arquivo com o método main "Impr".
java Impr
Não precisa digitar Impr.java

terça-feira, 31 de março de 2009

ADOECIMENTO NO TRABALHO - RH

ADOECIMENTO NO TRABALHO COMPONENTES DO GRUPO:

Adriana Medeiros

Angélica Nunes

Ivanilda Camelo

Luiz Alberto

Rodrigo Luis

MEDICINA DO TRABALHO

  • A Medicina do Trabalho representa um dos prismas da Saúde do Trabalhador.
  • Com finalidade de promover e proteger a saúde das pessoas envolvidas no exercício do trabalho.
  • Cabe ao médico do trabalho programar os planos de proteção à saúde do trabalhador, tanto no campo da Medicina do Trabalho como no campo da medicina em geral.

OBJETIVO DA MEDICINA DO TRABALHO

  • Prevenção dos maus efeitos do trabalho sobre a saúde dos trabalhadores;
  • O foco central da Medicina do Trabalho é a patologia do trabalho, os entraves para a produção e, portanto não é a saúde do trabalhador.

FUNÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO

  • É necessário que o médico do trabalho tenha conhecimento profundo dos efeitos do trabalho sobre a saúde. Isso implica, necessariamente, estudo o mais completo possível da relação trabalho-doença;
  • Outra importante função do médico do trabalho é a educação sanitária;
  • A Organização Internacional de Saúde ressalta a grande importância dos registros médicos e que os serviços ocupacionais devem registrar em prontuários pessoais e confidenciais todos os dados referentes à saúde de cada trabalhador da empresa.

SAÚDE DO TRABALHADOR

  • Lei Orgânica da Saúde: (Art. 6º parágrafo 3°): “[...] entende-se por saúde do trabalhador [...] um conjunto de atividades que se destina, através das ações de vigilância epidemiológica e vigilância sanitária, à promoção e proteção da saúde dos trabalhadores, assim como visa a recuperação e reabilitação da saúde dos trabalhadores submetidos aos riscos e agravos advindos das condições de trabalho.

ADOECIMENTO E SUAS CAUSAS

  • Vários fatores contribuem para esse adoecimento coletivo, tais como péssimas condições de trabalho, falta de segurança e autonomia e exposição freqüente a situações de extremo desgaste físico e mental, provocados pela necessidade de cumprir metas. Esse cenário tem levado o indivíduo a viver uma luta frenética e desigual.

DOENÇAS RELACIONADAS AO TRABALHO

  • A definição da Organização Mundial de Saúde, que observa a saúde do ser humano como: “o completo bem estar biológico, psicológico e social e não apenas a ausência de doença”;
  • Vieira (1996) coloca que a doença profissional é caracterizada como sendo aquela produzida ou desencadeada pelo exercício de trabalho peculiar a determinada atividade e, a doença do trabalho, é caracterizada como aquela adquirida, ou desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado.

ALGUMAS DOENÇAS RELACIONADAS AO TRABALHO

  • Depressão: afeta cerca de 15% da população mundial, isto é, aproximadamente 900 milhões de pessoas. É a principal causa da queda na produtividade profissional acarretando, como conseqüência, ansiedade, angústia e medo;
  • Estresse: pode ser causado pelo aumento da competição no trabalho, dificuldades do dia-a-dia, medo da perda do emprego e também devido ao avanço tecnológico;
  • Fadiga: provocado pela inadequação do processo de trabalho provoca uma diminuição da capacidade do organismo produzir e conseqüentemente, a queda na qualidade de trabalho do indivíduo. É causada por um trabalho contínuo sem motivação para executá-lo. “É um desgaste de energia física e mental”
  • Lesões por Esforços Repetitivos/ Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (LER/ DORT):São doenças dos ossos, músculos e tendões que afetam, principalmente, o pescoço e os braços e que são causados pelo exercício do trabalho. Os trabalhadores com LER/DORT têm direito a CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho), o que garante o reconhecimento do adoecimento pelo trabalho.
  • As causas mais comuns são: Movimentos repetitivos; postos de trabalho inadequados,que levam o trabalhador a permanecer em posturas incorretas; atividades de trabalho que exigem força; vibração; ferramentas de trabalho inadequadas;ritmo de trabalho intenso; horas-extras; pressão das chefias; e exigência de produtividade (metas de produção) e qualidade.

PREVENÇÃO DO ADOECIMENTO NO TRABALHO

  • Riscos isolados, não dá mais conta da explicação de por que adoecem os trabalhadores. Os riscos, na realidade, não se somam, mas se potencializam.
  • Ambiente de trabalho compreendido no sentido mais amplo: não apenas riscos isolados, mas a organização do trabalho, relações de trabalho, diversos fatores somando-se e contribuindo de forma multicausal para o adoecimento.
  • Prevenção significa abordar as causas na sua fonte, analisando os ambientes de trabalho, para a eliminação/minimização dessas causas ou a redução de sua influência, bem como conscientizando os empregados em todos os níveis, inclusive empregadores, para a sua efetiva participação no programa.

  • Uma abordagem sistêmica, integral, faz-se necessária para esse entendimento, apontando saídas para a possível prevenção. Ao avaliar cada risco isoladamente, não deixando escapar coisas fundamentais como: ritmo de trabalho, repetitividade, pressão psicológica, assédio moral, etc.
  • Com a prevenção do adoecimento no trabalho, automaticamente se obtêm uma qualidade de vida para os colaboradores da empresa, gastos reduzidos com auxílio-doença entre outros.

PREVENÇÕES

  • Empregadores e empregados devem unir esforços no sentido de aprimorar o ambiente de trabalho, pela análise dos equipamentos, tarefas, sistemas e organização do trabalho. Manter um ambiente de trabalho seguro e saudável é responsabilidade do empregador e deve contar com a colaboração dos empregados.

OS BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA PARA A SAÚDE DO COLABORADOR

  • Algumas empresas investem na saúde de seus funcionários possibilitando a prática de atividades físicas (Ginástica laboral). Os benefícios incluem”:
  • Redução do estresse e depressão;
  • Redução das doenças cardiovasculares;
  • Aumento da auto-estima e bem estar (Pessoas mais ativas e motivadas);
  • Aumento da produtividade;
  • Redução do isolamento social

BENEFÍCIOS PARA O COLABORADOR (QVT)

  • Qualidade de vida no trabalho é o conjunto das ações de uma empresa no sentido de implantar melhorias e inovações gerenciais, tecnológicas e estruturais no ambiente de trabalho(Limonge-França, 1996).
  • Estilo de vida que as pessoas almejam: É procurar integrar suas necessidades individuais, familiares e de carreira.

BENEFÍCIOS PARA A EMPRESA

  • Aumento da produtividade;
  • Redução do índice de absenteísmo;
  • Diminuição dos custos médicos;
  • Diminuição da rotatividade na mão-de-obra;
  • Melhora da imagem dos funcionários.
  • O trabalhador, de acordo com a sua respectiva área profissional, podendo despertar as habilidades latentes do trabalhador, melhorando a sua qualificação, o que certamente proporcionará um melhor desempenho no trabalho. Trazendo benefícios para a sua saúde, tornando o ambiente de trabalho mais agradável.

REFERÊNCIAS

A Saúde do trabalhador. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/area.cfm?id_area=928>.Acesso em: 22 de março de 2009, às 11 horas e 57 minutos.

Da medicina do trabalho à saúde do trabalhador. Disponível em: http://www.recursoshumanos.sp.gov.br/qualidadedevida/servicos/prevencao_doencas/Da%20medicina%20do%20trabalho%20à%20saúde%20do%20trabalhador.pdf>. Acesso em: 22 de março de 2009, às 12 horas e 52 minutos.

LER:Um problema social. Disponível em: <http://www.campinas.sp.gov.br/saude/eventos/ler_dort_program.htm>. Acesso em: 19 mar. 2009, às 21h e 41 min.

O médico do trabalho e sua percepção sobre o sofrimento psíquico relacionado ao adoecimento no trabalho. Disponível em: http://inf.unisul.br/~psicologia/wp-content/uploads/2008/07/MoniqueMoreiraBez.pdf. Acesso em: 19 de mar. 2009, às 20 h e 43 min.

O Estresse no Ambiente de Trabalho. Disponível em: www.pedagogiaemfoco.pro.br/pemp05.htm. Acesso em: 22 mar. 2009. Ás 13h e 40 mim.

Quando o trabalho Adoece. Disponível em: http://www.walkmedia.com.br/index2.php?option=com_content&do_pdf=1&id=64. Acesso em: 21 de março de 2009, às 23 horas e 35 minutos.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Plano de ensino - Noções de Recursos Humanos

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM
1. Identificação
Áreas: Adm. Hosp. e Comércio Exterior; Contabilidade eTecnologia
Disciplina: Noções de Recursos Humanos
Curso: Administração
Modulo: Formação para o BCH
Professora: Ana Maria Oliveira
Dias letivos: T 2ª(x ) 3ª( ) 4ª( x) 5ª( ) 6ª(x)

2. Aspectos do Processo de Ensino e Aprendizagem
2.1. EMENTA
O indivíduo e o trabalho. Evolução da administração de recursos humanos. Fundamentos de ARH como sistema. Recrutamento e seleção, treinamento e desenvolvimento, avaliação de desempenho, gestão de carreiras. Bem-estar ocupacional: trabalho prescrito e trabalho real. Noções de ergonomia.

2.2. objetivos

2.2.1. objetivos gerais
Contribuir para a inserção crítica do aluno na sociedade da informação.
Permanecer em processo de aprendizagem.
Aprofundar os conhecimentos na área de atuação profissional.
Reconhecer a importância da disciplina como contribuinte para o bem-estar social e para a vida do profissional em Informática.

2.2.2. OBJETIVOS específicos
Reconhecer a relação de interdependência entre indivíduo e trabalho.
Compreender ARH como sistema, reconhecendo as diferentes etapas de um processo básico de RH.
Reconhecer o bem-estar ocupacional como fator determinante para a saúde do trabalhador.
Reconhecer casos de adoecimento no trabalho, atuando de maneira proativa no controle e prevenção.
Entender e avaliar as questões de interdependência entre indivíduo e trabalho, administrando as relações interpessoais e conflitos no ambiente organizacional e reconhecendo a diferença entre bem-estar e mal-estar do indivíduo.
Atuar com proatividade nas questões de relacionamento interpessoal.
Compreender os principais processos de recursos humanos e sua relação com os demais processos da organização.

2.3. COMPETÊNCIAS
2.3.1. Conhecimentos / Base Tecnológica
Teoria sistêmica para recursos humanos.
Negociação e gerenciamento de conflitos.
Saúde e adoecimento no trabalho.
Relacionamento interpessoal.
Processos de recursos humanos e sua relação com os demais processos da organização.
Indivíduo e trabalho.
Evolução em Administração de Recursos Humanos (ARH).
ARH como sistema.
Cargos, carreira e salários.
Recrutamento e seleção.
Treinamento e desenvolvimento.
Avaliação de desempenho.
Noções de ergonomia.
Bem-estar e mal-estar no trabalho.

2.3.2. HABILIDADES
Capacidade de aplicar conhecimento.
Capacidade de construir conhecimento.
Capacidade de analisar, criticar e resolver problemas.
Habilidade em trabalhar em equipe.
Capacidade de administrar.
Capacidade de aliar teoria e prática.
Capacidade de abstração e síntese.
Habilidade de oratória em público.
Inteligência emocional e interpessoal.

2.3.3. Atitudes
Proatividade.
Postura investigativa e dedutiva.
Iniciativa.
Cooperação.
Companheirismo.
Sensibilidade.
Persistência.
Crítica e autocrítica.

2.4. Estratégias e Recursos de Aprendizagem
2.4.1. Estratégias
Aula expositiva.
Seminário.
Leitura e interpretação de textos.
Pesquisa.
Estudos de caso e/ou Seminários.
Debate.

2.4.2. Recursos de Aprendizagem
Textos diversos.
Audiovisuais.

2.5. Avaliação
2.5.1. critérios e ponderação
Seminário: 40%.
Estudos de casos e participação geral do aluno nos trabalhos (sala de aula e extra-classe): 20%.
Prova escrita individual (utilização das competências desenvolvidas na resolução de questões): 40%.

2.5.2. recuperação
Será realizado exame de recuperação ao aluno não aprovado que houver freqüentado número igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) das aulas e atividades previstas e, obtido nos exames e trabalhos efetuados, média final igual ou superior a 5 (cinco) e menos do que 7 (sete).

3. Cronograma do desenvolvimento das competências: aulas e estratégias de aprendizagem
Nº do Encontro
Conhecimentos / Conteúdo Programático
Estratégias de Aprendizagem
Critérios de Avaliação
1.
Indivíduo e trabalho.
Evolução em ARH.
Apresentação da disciplina e das formas de avaliação (programa da disciplina) com definição do contrato pedagógico.
Aula expositiva com auxílio de retroprojetor e transparências.
Dinâmica de grupo.
Participação geral na sala de aula: individual e em grupo.
2.
ARH como sistema.
Estudo de caso 1.
Leitura e interpretação de textos.
Participação geral na sala de aula: individual e em grupo.
3.
ARH.
Pesquisa extra-classe.
Material escrito.
4.
Cargos, carreira e salários.
Estudo de caso 2.
Leitura e interpretação de textos.
Participação geral na sala de aula: individual e em grupo.
5.
Recrutamento e seleção.
Treinamento e desenvolvimento.
Estudo de caso 3.
Leitura e interpretação de textos.
Participação geral na sala de aula: individual e em grupo.
6.
ARH.
Pesquisa extra-classe.
Material escrito.
7.
Avaliação de desempenho.
Estudo de caso 4.
Leitura e interpretação de textos.
Participação geral na sala de aula: individual e em grupo.
8.
Noções de Ergonomia.
Bem-estar e mal-estar no trabalho.
Qualidade de Vida no Trabalho.
Aula expositiva com auxílio de retroprojetor e transparências.
Dinâmica de grupo.
Participação geral na sala de aula: individual e em grupo.
9.
ARH
Pesquisa extra-classe.
Material escrito.
10.
Adoecimento no trabalho.
Seminário.
Material escrito.
Apresentação individual e em grupo.
11.
Adoecimento no trabalho
Seminário.
Material escrito.
Apresentação individual e em grupo.
12.
Todo o conteúdo.
Prova escrita individual.
Resolução de questões utilizando os conceitos e as competências desenvolvidas.
4. Bibliografia
4.1. Bibliografia Básica
1. CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos. São Paulo: Atlas, 2001.
2. FIORELLI, José. Psicologia para Administradores: integrando teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2001.
3. VERGARA, Sylvia. Gestão de pessoas. Rio de Janeiro: Atlas, 2003.
4.2. Bibliografia Complementar
4. FLEURY, MARIA & T.L. OLIVEIRA. As pessoas na organização. São Paulo: Gente, 2003.
5. MENDES, Ana M.; FERREIRA, Mario C. & BORGES, Lígia. Trabalho em transição, saúde em risco. Brasília: UnB, 2002.
6. MINICUCCI, Agostinho. Relações Humanas. São Paulo: Atlas, 2001.